terça-feira, 22 de novembro de 2011

23 DE NOVEMBRO - DIA DE SANTA FELICIDADE - MEDITEMOS SUA MENSAGEM DADA NAS APARIÇÕES DE JACAREÍ SP BRASIL

SANTA FELICIDADE, ROGAI POR NÓS!


JACAREÍ, 16 DE OUTUBRO DE 2011
CAPELA DO SANTUÁRIO DAS APARIÇÕES DE JACAREÍ/SP
MENSAGEM DE SANTA FELICIDADE
COMUNICADA AO VIDENTE MARCOS TADEU TEIXEIRA

MENSAGEM DE SANTA FELICIDADE

“-Meus amados irmãos, Eu, FELICIDADE, serva do Senhor, serva de Maria Santíssima, venho hoje abençoar-vos e dizer-vos:
PAZ! PAZ AOS VOSSOS CORAÇÕES!
NADA PERTURBE A VOSSA PAZ! NADA DESTRUA A VOSSA PAZ! PERMANECEI SEMPRE EM PAZ!
Vinde, vinde alegrar-vos no amor do Senhor. Vinde alegra-vos na cruz do Senhor. Vinde alegra-vos no amor da virgem Santíssima. Vinde procurar a fonte da vida que aqui está aberta para cada um de vós.
Procurai a fonte da vida, que nestes tempos finais foi largamente aberta para vós pelo Senhor através das Aparições da Virgem Santíssima. Bebei a água das Suas mensagens que brotam da fonte do Seu amor imenso por todos vós, para que assim a vossa sede seja finalmente saciada, a vossa alma possa finalmente sentir o amor, sentir a plenitude da graça, da paz e da alegria que sempre procurou!
Bebei sempre mais desta água salutar das Mensagens da Mãe de Deus, onde vós encontrareis toda a inspiração, toda a resposta, toda a luz, todo o ânimo e toda a força para seguirdes em frente a cada dia na vossa caminhada rumo à santidade, rumo ao Céu, rumo a Deus. Bebendo desta água puríssima, vós tereis perfeita saúde espiritual, lavareis de vossas almas toda a impureza, toda a nódoa de pecado, tornareis as vossas almas belas, renovadas, revigoradas e, sobretudo, cheias de força, saúde espiritual para caminhardes todos os dias da vossa vida na estrada da santidade, do amor e da graça com passo firme e decidido.
Vinde beber à Fonte da Vida, da qual brota toda a alegria do Senhor, que Aqui neste Lugar Sagrado das APARIÇÕES DE JACAREÍ, vos foi largamente concedida e dada a beber. Aqui, a ÁGUA DA GRAÇA jorra sem cessar para todos, o que se pede é apenas boa vontade e que cada um de vós estenda a sua mão para tomar desta água e bebê-la em abundância. Quanto mais beberdes desta água mais ela jorrará para vós, porque ela brota da Fonte do eterno amor que jamais se esgota.
Bebei, bebei e lavai os vossos lábios, os vossos lábios ressequidos sem amor, sedentos de paz, de felicidade, de esperança e esta água tornará novamente as vossas almas cheias de fé, esperança, amor, paz e alegria. E com esta paz e esta alegria, com esta fé e esperança, vós sereis capazes de mudar não somente as vossas vidas, mas também as vidas de todos os vossos irmãos, do mundo inteiro!
Vinde beber à Fonte da vida, que Aqui neste Lugar sagrado a VIRGEM MARIA abriu para vós e que jorra há tantos anos a água, a água que brota do Trono do Cordeiro, do Trono da Graça. Cada um de vós poderá beber, poderá levar e tomar desta água o quanto quiser, na há limite, vós bebereis o quanto vós quiserdes e o quanto vós fordes capazes de beber. Esta água vos é dada com sumo amor e caridade, por isso a ninguém jamais foi negada, a ninguém jamais será negada, nem de ninguém jamais será confiscada.
Vós, estendei as mãos, bebei, bebei largamente desta água que jorra para vós dando-vos sempre mais a graça do alto, tornando-vos sempre mais fortes para combaterdes as forças do mal e cumprirdes a vossa missão aqui na Terra.
Vinde beber às fontes da vida, às fontes que jorram do Trono do Senhor, onde as vossas almas conhecerão um pouco daquela alegria, daquela felicidade, daquele amor e daquela vida divina que Nós os bem aventurados, gozamos e temos no Paraíso. E vós já na Terra em carne mortal, podereis exultar de alegria em Deus, podereis cantar os Seus louvores e transformar mesmo a vossa vida num hino vibrante de amor, que toda a criatura poderá ouvir, poderá compreender. E então, convosco poderão também entoar para maior glória do Senhor, da Virgem Santa, e para maior Triunfo da verdade.
Eu, FELICIDADE, estou convosco todos os dias, acompanho-vos no vosso peregrinar na Terra, ajudo-vos sempre mais a servirdes com prontidão, perfeição e exatidão à Virgem Santíssima.
Estou sempre atenta às vossas necessidades, vejo já de antemão tudo aquilo que vós precisais, previno-vos também de todas as tentações de Satanás, para ajudar-vos sempre mais a vencê-lo com o vosso não às suas sugestões malignas e com o vosso sim dado sempre mais com amor e generosidade a Deus, à Virgem Santíssima e à vontade Dela.
Tomo vossas Mãos cada dia para conduzir-vos pelo caminho da verdade, da graça e da paz, uno a Minha oração com a vossa colhendo as rosas que saem a cada conta do vosso Terço que rezais, para assim, apresentar as vossas rosas mais luminosas, as vossas orações mais intensas, mais profundas, mais confiantes no Trono da Santíssima Trindade e da Mãe de Deus, para alcançar para vós toda a sorte de graças.
Cubro-vos com o Meu Manto de Luz para vos esconder dos olhos malignos de Satanás, de modo que ele não vos possa ver, não vos possa ferir, não vos possa derrubar. Cubro –vos sempre mais com Meu Manto de Luz, para defender-vos de toda a sorte de ataque de Satanás.
Nos momentos de sofrimento estou mais perto de vós do que nunca, por isso, lembrai-vos de Mim para que vós não caiais na tristeza, nem no desespero. Chamai por Mim e Eu virei imediatamente consolar-vos e confortar-vos e pouco a pouco vos conduzirei à solução de todos os vossos problemas e sofrimento e à vitória.
Não duvideis nunca, Eu vos amo com o amor divino e sobrenatural, e por isso desejo, desejo imensamente conduzir-vos ao Céu onde podereis ser felizes ao Meu lado para sempre cantando os louvores do Senhor.
Por isso vinde a Mim, em todas as vossas necessidades, sofrimentos e aflições. Vinde a Mim, sobretudo, para que Eu vos ensine a verdadeira santidade. Vinde a Mim para que Eu vos dê sempre mais a beber da Água da Graça, da Fonte da vida, da qual tanto vos falei nesta Minha primeira Mensagem Aqui. Aquele que Me pedir da água da Fonte da Vida, da água da Graça Eu lhe darei abundantemente e sem reservas.
Vinde a Mim, com os cântaros, com os jarros das vossas orações cheios de fé, de amor e de esperança e Eu vos darei ilimitadamente a beber da água da vida da qual Eu Sou plenamente saciada.
A todos neste momento abençôo com amor e com generosidade, dando-vos todas as graças copiosas que o Altíssimo neste dia Me concedeu para derramar sobre vós.”






O Martírio de Santas Perpétua e Felicidade


No ano de 202, o imperador Severo mandou que aqueles que seguissem sendo cristãos e não quisessem adorar aos deuses romanos deveriam morrer. Perpétua estava celebrando uma reunião religiosa em sua casa quando chegou a polícia do imperador e a levou presa, junto com sua escrava Felicidade, e os escravos Revocato, Saturnino e Segundo.
Diz Perpétua em seu diário: "Nos colocaram no cárcere e fiquei consternada porque nunca havia estado em local tão escuro. O calor era insuportável e havia muitas pessoas em um subterrâneo muito estreito. Parecia que morreria de calor e asfixia, mas sofria muito mais por não poder estar junto de meu filho, que tinha tão poucos meses e muito necessitava de mim. O que mais pedia a Deus era que nos desse grande virtude para sermos capazes de sofrer e lutar por nossa santa religião".


No dia seguinte chegaram alguns diáconos católicos e deram dinheiro aos carcereiros para que passassem os presos a outra cela, menos sufocante e escura. Foram levados a um local onde entrava um raio de sol e não ficaram tão incômodos. Também permitiram que levassem o filho de Perpétua, que estava se deixando morrer. Ela disse em seu diário: "Desde que tive meu filho em minhas mãos, aquele cárcere me pareceu um palácio e sentia-me plena de alegria. E a criança também retomou a alegria e vigor". As tias e a avó encarregaram-se depois da criança e sua educação.


O chefe do governo de Cártago chamou a juízo Perpétua e seus servidores. Na noite anterior Perpétua teve uma visão na qual lhe foi dito que teriam que subir uma escada cheia de sofrimentos, mas que ao final de tão dolorosa subida, o Paraíso Eterno as esperava. Ela narrou a seus companheiros a visão e todos se entusiasmaram e se propuseram permanecer fiéis à Igreja até o fim.


Primeiro foram chamados os escravos e o diácono. Todos proclamaram ante as autoridades que eram cristãos e preferiam morrer antes que adorar a falsos deuses.


Logo chamaram a Perpétua. O juiz lhe pedia que deixasse a religião de Cristo e passasse a religião pagã, que assim salvaria sua vida. E lhe recordava que era mulher muito jovem e de família rica. Porém Perpétua proclamou que estava decidida a ser fiel a Jesus Cristo até a morte. Neste momento, trouxeram seu pai, o único na família que não era cristão, e ajoelhado ele e suplicou que não persistisse em chamar-se cristã, que aceitasse a religião do imperador, que o fizesse por amor a seu pai e seu filhinho. Ela se comoveu imensamente, mas terminou dizendo-lhe: "Pai, como se chamada este objeto a sua frente?". "Uma bandeja, minha filha.", respondeu ele. "Pois bem, a esta bandeja há de chamar-se bandeja, porque é uma bandeja. E sou cristã, não posso me chamar pagã, porque sou cristã e quero sê-lo para sempre." E acrescentou em seu diário: "Meu pai era o único na família que não se alegrava porque nós seríamos mártires em Cristo".


O juiz decretou que os três homens deveriam ser levados ao circo e ali, em frente à multidão, seriam destroçados por feras no dia da festa do imperador; e que as mulheres seriam amarradas frente a uma vaca furiosa. Porém, havia um inconveniente: Felicidade estava grávida e a lei proibia matar a quem estava por dar à luz. E ela desejava ser martirizada por amor a Cristo. Então os cristãos oraram com fé e Felicidade deu a luz a uma linda menina, que foi confiada as mulheres cristãs, e assim Felicidade pode ser martirizada. Um carcereiro fazia pouco caso dela, dizendo-lhe: "Agora te queixas das dores do parto, como farás frente às dores do martírio? " Ele lhe respondeu: "Agora sou fraca porque sofro por minha natureza. Porém, quando chegar o martírio, me acompanhará a graça de Deus, que me encherá de fortaleza.".


Aos condenados à morte permitia-se fazer uma ceia de despedida. Perpétua e seus companheiros organizaram uma ceia eucarÍstiCa. Dois santos diáconos lhes levaram a comunhão, e depois de orar e animar-se uns aos outros, abraçaram-se e despediram com o ósculo da paz. Todos estavam animados, alegremente bem dispostos a entregarem a vida por proclamar a fé em Jesus Cristo.


Antes de levarem-nos ao circo, os soldados queriam que os homens vestissem como sacerdotes dos falsos deuses e as mulheres como sacerdotisas pagãs. Porém Perpétua se opôs e ninguém conseguiu lhes vestir aquelas roupas.


Os escravos foram jogados às feras, que os destroçaram e eles derramaram assim valentemente seu sangue por nossa religião.


O Diácono Sáturo conseguiu converter um dos carcereiros, chamado Pudente, ao Cristianismo. Disse-lhe: "Para que vejas que Cristo é Deus, te anuncio que colocaram frente a um urso feroz, mas esta fera não me fará nenhum mal." E assim aconteceu: lhe amarraram e colocaram em frente à jaula de um urso muito agressivo. O animal feroz não lhe fez nenhum mal, e ainda deu uma tremenda dentada no seu tratador, que o atiçava contra o santo diácono. Então soltaram a um leopardo, que com uma dentada destroçou Sáturo. Quando o diácono estava moribundo, molhou com seu sangue um anel, colocou-o no dedo de Pudente, que então aceitou definitivamente converter-se ao Cristianismo.


A Perpétua e Felicidade amarram com arame, colocaram-nas no centro e soltaram uma vaca bravíssima, que as atacou sem misericórdia. Perpétua unicamente se preocupava em ir-se cobrindo, com os restos de tecido que sobravam, para que não desse espetáculo por estar desnuda. Ajeitava os cabelos, para que não parecesse uma pagã chorona. O povo emocionado, ao ver a valentia das jovens mães, pediu que as retirassem pela porta onde saiam os gladiadores vitoriosos. Perpétua, então saiu de seu êxtase, e perguntou onde estava a tal vaca que lhes atacaria.


Mas logo após o povo cruel pediu que as trouxessem para lhes cortar a cabeça em frente a todos. Ao saber desta notícia, as jovens abraçaram-se emocionadas e retornaram a praça. A Felicidade cortaram a cabeça com um golpe de machado, Porém o verdugo que deveria matar Perpétua estava muito nervosos e errou o primeiro golpe. Ela deu um grito de dor, porém posicionou melhor a cabeça para facilitar o trabalho do verdugo e lhe indicou onde veria atingi-la. Assim, esta mulher corajosa mostrou até o último instante que morria mártir por sua própria vontade e com toda generosidade.










Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

AddThis