terça-feira, 13 de agosto de 2013

Santa Fara ou Burgundofara - Abadessa



Santa Fara Apareceu em Jacareí no dia 11 de agosto de 2013, ao lado de Nossa Senhora e deu-nos uma Mensagem chamando-nos a ser ardósias de amor. Eis em resumo sua santa vida na qual Ela mesma foi uma bela ardósia de amor para Jesus e Maria.


Santa Fara ou Burgundofara - Abadessa

Nasceu na aldeia de Pipimisicum (atual Poincy, próximo de Meaux - França), provavelmente no ano de 595. Era filha do conde Cagnerico e de Leodegonda, e teve dois irmãos santos: São Cagnoaldo, monge em Luxeuil, e São Faro, Bispo de Meaux. Seu pai possuía terras em Champigny. Seu nome, Fara ou Bara, significa “baronesa”, e Burgundofara é “baronesa de Borgonha”. Não sabemos se seria um título e se possuía outro nome.
Quando Fara era menina, São Columbano, o apóstolo da Irlanda, exilado em Luxeuil e hóspede na casa dos pais de Fara, indicou a ela a vida de consagração a Deus. O Santo gostava muito da menina e reconheceu nela grandes virtudes, tendo-lhe ensinado a amar a Cristo, a rezar e a fazer caridade aos pobres. Fara também tinha muito afeto pelo Santo, sobretudo depois do milagre feito por ele: São Columbano fez as espigas de trigo amadurecerem antes do tempo da colheita.
Fara desejava ser religiosa, mas seu pai tinha outros planos: um casamento com um nobre da corte do Rei Teodeberto II. A jovem então adoeceu e ficou em um tal estado, que Santo Eustácio, sucessor de São Columbano na direção do mosteiro de Luxeuil, e diretor espiritual da jovem, teve que intervir e revelou a Cagnerico que se a deixasse livre para se consagrar a Deus ela ficaria curada. O pai aquiesceu e a jovem recobrou a saúde.
O pai não manteve sua promessa, e ela percebendo que começavam a preparar-lhe um casamento, abandonou a casa paterna e se refugiou, com uma amiga fiel, perto da igreja de São Pedro. Descoberta, rogaram-lhe que voltasse para casa, chegando a ameaçá-la de morte. Ela porém não desistiu da decisão tomada. Informado do que estava acontecendo, Santo Eustácio interveio e, após admoestar severamente Cagnerico, abriu caminho para Fara seguir sua vocação.
O Bispo Gondoaldo de Meaux impôs-lhe o véu no ano 614. Em 620, tendo recebido de herança do pai um terreno entre dois rios, Fara fundou o seu próprio mosteiro, dedicado a Santa Maria, a São Pedro e a São Paulo. O Mosteiro de Evoriacum, famoso por seus “queijos Brie”, tomou o nome de Faremoutiers, ou seja, “mosteiro de Fara”, no século VIII, quando Fara já era venerada como santa.
Erguido junto a uma igreja consagrada a Virgem e aos Santos Apóstolos Pedro e Paulo, o mosteiro tornou-se logo o centro de uma fervorosa vida espiritual. Inicialmente foi adotada a regra de São Columbano, posteriormente a da Ordem beneditina.

Gravura medieval:abadessa e monja
A fama da santidade de Fara rapidamente espalhou-se pela França e chegou à Inglaterra, onde muitas princesas pediram para se colocar sob a direção dela. Entre estas estão Santas Sisetrude, Gibitrude, Hercantrude. A princesa inglesa Sedrido sucedeu-a como abadessa.
A Abadia de Faremoutiers tornou-se uma escola de santidade onde milagres e maravilhas eram comuns. Frequentemente por ocasião do falecimento de monjas coros angélicos podiam ser ouvidos por todo o convento, enquanto as almas das defuntas eram levadas para o Paraiso. As curas espirituais e físicas eram numerosas.
Jonatas de Faremoutiers conta alguns casos que falam bastante de Fara: umas monjas, enfastiadas da vida religiosa, tentaram fugir de noite; quando estavam escapando, um globo de fogo desceu do céu e incendiou o mosteiro. Surpreendidas, Fara castigou as fugitivas no cárcere monástico. Em outra ocasião, Fara viu um enorme porco junto a uma monja no refeitório e lhe foi revelado que esta pecava de gula, chegando a roubar alimentos da dispensa.
Fara morreu por volta de 675 e o seu corpo foi sepultado perto do altar, estando presente seu irmão São Faro. Algumas dezenas de anos depois, Maiolo, abade do mosteiro da Santa Cruz de Meaux, removeu as relíquias da terra expondo-as à veneração pública.
Em Faremoutiers a memória de Santa Fara é celebrada no dia 7 de dezembro. Ela é invocada especialmente contra as doenças dos olhos.
Em 1617, ocorreu um milagre documentado, com testemunhos e dados médicos. Uma monja, filha do Tesoureiro Financeiro de Paris, perdeu a visão. Médicos importantes a visitaram, porém nada puderam fazer, a não ser matar os nervos óticos para evitar as dores. No dia 7 de dezembro de 1622, festa de Santa Fara, a monja passou três vezes sobre seus olhos a relíquia da santa exposta à veneração dos fieis e imediatamente começou a ver.
Santa Fara é padroeira das cidades de Aveluy, Cinisi e Providenzza. Suas relíquias estão principalmente em Faremoutiers e em Champeaux.

Ó grandiosa Santa Fara, cujo o amor a Deus foi mais forte que tudo e todos, rogai por nós e dai-nos o voso amor!

AddThis

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...