terça-feira, 23 de agosto de 2016

23 de Agosto - Dia de Santa Rosa de Lima - Mensagem de Santa Rosa dada nas Aparições de Jacareí




JACAREÍ, 7 DE JULHO DE 2013
21ª AULA DA ESCOLA DE SANTIDADE E AMOR DE NOSSA SENHORA
TRANSMISSÃO APARIÇÕES DIÁRIAS AO VIVO VIA INTERNET NA WEBTV MUNDIAL: WWW.APPARITIONSTV.COM
MENSAGEM DE NOSSA SENHORA E SANTA ROSA DE LIMA

    (Santa Rosa de Lima): “Amados irmãos Meus, Eu, Rosa de Lima, alegro-me hoje por poder estar convosco e dar-vos a Minha primeira Mensagem. Como vos amo! Como vos protejo! Como rogo por vós ao Senhor e à Mãe de Deus e como Eu desejo verdadeiramente ajudar-vos a chegardes ao Céu para serdes felizes Comigo para sempre.
    Eu quero ajudar-vos a chegar ao Céu e por isso venho Aqui nestas Aparições em Jacareí com a Mãe de Deus para dizer-vos: Rezai profundamente, fazei a oração com o coração para que a vossa alma verdadeiramente cresça no amor de Deus todos os dias e a flor do amor nas vossas almas vá se desenvolvendo e crescendo cada vez mais até atingir a plenitude. Quem reza com o coração será grande santo, porque o segredo da Minha santidade foi também este, a oração com o coração que gerou na Minha alma o verdadeiro amor, que transformou-Me em grande obra de santidade das Mãos de Deus.
    Rezai com o coração, vivei cada vez mais esta intimidade com Deus rezando a Deus sinceramente e dando a Deus toda a vossa vida, o sim do vosso coração, para que Ele possa realizar em vós a Sua vontade e as Suas grandes maravilhas.
    Eu vim ajudar-vos a chegar ao Céu e por isso hoje vos digo: desapegai-vos de todas as coisas que vos impedem de serdes santos, de serdes completamente de Deus e da Mãe de Deus, desapegai-vos especialmente das coisas vãs que vós sabeis muito bem que ocupam o lugar do vosso coração que pertence só a Deus. Desapegai-vos também dos pecados aos quais não quereis renunciar, porque enquanto não renunciardes a estes pecados o Espírito Santo não voltará a habitar nas vossas almas, nem realizará nenhuma obra para ajudar, para realizar a vossa salvação, levar-vos à salvação, por isso a renúncia é importantíssima para vós se quereis ser salvos.
    Eu, Rosa de Lima, quero ajudar-vos a chegar a esta grande renúncia interior que vos tornará livres de todas as cadeias com as quais o diabo vos prende e assim as vossas almas voarão rápidas, céleres no Céu do verdadeiro amor, rumo à grande santidade que Deus deseja para vós.
    Eu quero ajudar-vos a chegar ao Céu, por isso desejo que aumenteis ainda mais o vosso amor pelos Santos, para que Nós possamos ajudar-vos mais e mais a chegardes ao Céu. Fazei a Hora dos Santos com mais amor, rezai todos os Terços, todos os Terços dedicados a Nós que aprendestes Aqui nestas Aparições, para que a Nossa ação e a Nossa graça possam aumentar na vossa vida dia a dia até levar-vos perfeitamente à santidade que o Senhor deseja de vós.
    E por fim Meus queridos irmãos, deixai-vos conduzir por Nós imitando as Nossas virtudes, obedecendo as Nossas Mensagens e deixando-vos conduzir por Nós pela nossa ação em vossa vida de modo que todos os dias cresçais, cresçais, cresçais na santidade e no perfeito amor até que sejais coroados no Céu.
    Eu, Rosa de Lima vos amo muito, rogo por vós no Trono do Senhor, amo este lugar com todo o Meu Coração que é o Meu pequeno jardim de rosas. Sim, este lugar é o Meu jardim de rosas espirituais, onde cultivo as almas como pequeninas rosas perfumadas para dar a Deus, para dar à Maria Santíssima para a Sua maior alegria, contentamento e amor.
    Aqui é o jardim de rosas de Rosa de Lima, de Rosa do Céu.
    A todos vós neste momento abençoo com amor e especialmente a ti Marcos que desde há tantos anos Me amas, rezas a Mim com amor e procuras seguir Minhas pegadas de santidade.
    A todos abençoo amorosamente agora e a todos dou a Minha paz.”

    (Marcos): “Até breve.”

***








"De certa forma, essa santa é uma personificação da Igreja da América Latina: imersa em sofrimentos, desprovida de meios materiais e de um poder significativos, porém, tomada
pelo íntimo ardor e zelo causados pela proximidade de Jesus Cristo"(*).
 Quem conhece a frase: "Cristo é a minha força, a Oração é meu baluarte, a Fé é meu escudo" tem a tendencia de julgar que ela seja o dito de um cavaleiSta Rosa de Lima.jpgro medieval, o lema de um cruzado cheio de religiosidade ou ainda o testemunho de um guerreiro destemido e temente a Deus.
E não há nenhum descabimento nesse julgamento. Porque esta afirmação fogosa faz parte de uma das orações preferidas por uma pessoa que, na realidade, foi uma lutadora na presença do Altíssimo, uma conquistadora de almas para Deus, uma batalhadora mística "tomada pelo íntimo ardor causado pela proximidade de Jesus Cristo".
- Então, quem fez esta proclamação tão destemida?
Uma donzela! Donzela frágil, persistente, sofredora, obediente, pura. Uma jovem que, desde pequena, teve grande pendor para a oração, a meditação e o serviço junto aos mais necessitados. Uma jovem que, ainda menina, viu seu nome mudado por causa de sua grande beleza, fragilidade e meiguice. E quem foi ela?

Isabel, que se tornou Rosa de Santa Maria...
Seu nome de batismo era Isabel Mariana de Jesus Paredes Flores y Oliva....
Ela era descendente de conquistadores espanhóis, foi a terceira dos onze filhos do próspero casal Gaspar de Flores, um espanhol que prestava serviço ao Vice-Rei do Peru como arcabuzeiro, e de Maria de Oliva, uma distinta senhora que vivia em Lima.
Isabel nasceu na Vila de Quives, na cidade de Lima, capital do Peru, no dia 30 de abril do ano de 1586. Na casa de seus pais vivia uma índia que se chamava Mariana. Como criada, ela ajudava Dona Maria de Oliva nos serviços domésticos e era muito prestativa. Num dia em que toda a família estava reunida, Mariana dirigiu-se a Isabel exclamando: "Você é bonita como uma rosa!
A família inteira ouviu a afirmação e todos concordaram com a fiel índia. Dai surgiu o apelido de "Rosa". A extraordinária beleza de Isabel motivou a mudança de seu nome. Sua mãe mesma, ao ver aquele rosto rosado e belo, começou a chamar a filha de "Rosa". De Isabel ela passou a ser chamada de Rosa. E um dia a menina mesma mostrou como gostaria de ser chamada: Rosa de Santa Maria. Bem mais tarde ainda, Isabel Mariana de Jesus Paredes Flores y Oliva tornou-se conhecida no mundo todo pelo título que a Santa Igreja lhe deu: Rosa de Lima, ou melhor, Santa Rosa de Lima!


 "Dedique a mim todo seu amor..."
Desde pequena Rosa teve grande tendência para a oração e a meditação. Procurava ver na beleza das coisas criadas os reflexos da sabedoria, da bondade de Deus. E bem cedo ela deu mostras de ser uma alma predestinada: tornou-se grande devota de Nossa Senhora. A cada instante recorria à proteção certa da Santa Virgem Mãe de Deus.
Rosa, cresceu tendo o piedoso costume de rezar diante de uma imagem da Virgem Maria com o Menino Jesus em seus braços. Certo dia, estando absorta em suas orações, a jovenzinha ouviu uma voz que vinha da pequena imagem de Jesus:
- "Rosa, dedique a mim todo o seu amor..."
Ela não duvidou: aquele apelo vinha de Deus. Ouvindo-o, ela tomou a decisão de dedicar inteiramente a Nosso Senhor um amor excludente. Só a Ele ela dedicaria seu amor, seu amor seria somente de Jesus. E assim foi até fim de seus dias.
Sua grande beleza, aliada à boa formação recebida e à fama de ser a moça mais virtuosa e prendada da cidade, levou jovens entre os mais ricos e distintos cavaleiros de Lima e arredores a se interessarem por ela e dela se aproximarem com o desejo legítimo e sincero de constituir uma família. Ela, porém, já havia se comprometido com o Esposo das Virgens. Levava isso muito a sério e encontrava sua felicidade nesse comprometimento. Por isso ela costumava dizer que "o prazer e a felicidade que o mundo pode me oferecer são simplesmente uma sombra em comparação com o que sinto".
A fim de evitar qualquer volta atrás em sua decisão de dedicar a Jesus todo seu amor, para que não fosse causa de tentação para rapazes que a vissem e também para que ela mesma não fosse alvo de tentações que a levassem a esquecer o pedido de Nosso Senhor, Rosa tomou uma decisão radical: cortou seus longos e bem tratados cabelos e passou a cobrir seu belo rosto com um véu.


 Pobre e sem revolta
A família de Rosa tinha bons recursos econômicos. Apesar disso, o pai necessitava trabalhar, inclusive prestando serviços ao Vice-Rei, afim de manter sua posição econômica e social.
Devido ao insucesso ocorrido numa empresa de mineração em que Gaspar de Flores estava empenhado, sua situação financeira comprometeu-se a tal ponto que a família ficou pobre, chegando à beira da miséria. Por isso, Rosa cresceu na pobreza e, ainda na adolescência, teve que trabalhar duramente para ajudar a família.
Ela trabalhou como doméstica e, além disso, durante o dia, trabalhava no campo como lavradora e até altas horas da noite costurava, bordava, fazia rendas e brocardos para assim poder ajudar no sustento da casa. 
Rosa nunca deixava de fazer suas orações por causa dos trabalhos que tinha que exercer.Sta_Rosa_Lima_.jpg Ainda encontrava tempo para visitar frequentemente os pobres e enfermos. Rosa nunca deixava de fazer suas orações por causa dos trabalhos que tinha que exercer. Ainda encontrava tempo para visitar frequentemente os pobres e enfermos.
É por isso mesmo que dela se afirma ser alegre e ter sabido executar a harpa de forma graciosa e ainda cantar belas canções com uma voz doce e melodiosa.



Milagres, sofrimentos e espírito missionário
Aqueles que com ela conviveram ou escreveram sua biografia afirmam que, ainda em vida, era grande intercessora junto a Deus e por sua mediação foram atribuídos acontecimentos e fatos prodigiosos. Entre aqueles que atestam sua poderosa intercessão ainda em vida, encontramos Frei Juan de Lorenzana que, além de ter convivido com Rosa, foi confessor da Santa. Ela tinha dons e carismas especiais, afirma.
A ela são atribuídos milagres de curas, de conversões, de propiciações de chuvas e amenizações do clima. Todos eles são unanimes em admitir que suas orações foram que impediram que Lima fosse invadida por piratas holandeses em 1615.
Apesar de ter sido agraciada com experiencias místicas incomuns e com o dom dos milagres, nunca lhe faltou as dificuldades na vida. Em toda sua vida, a cruz foi sua companheira inseparável. Ela aproveitou-se de sua vida crucificada para, de certo modo, compartilhar com os sofrimentos do Divino Salvador. Eram sofrimentos provindos, muitas vezes de incompreensões gratuitas e perseguições descabidas, sem falar de sofrimentos físicos, das agudas dores causadas por uma prolongada doença que a acompanhou até o final de seus dias.
Seus sofrimentos pareciam inexplicáveis. E ela tentava mostrar seus sentimentos e não sabia como: "Posso explicá-los só com o silêncio" e admitia: "eu não acreditava que uma criatura pudesse ser acometida de tão grandes sofrimentos". Finalmente, as atitudes que tomava demonstravam que, por amor a Deus, ela tinha uma aceitação plena de tudo que lhe era oferecido pela Providencia Divina: ---"Meu Deus, podes aumentar os sofrimentos, contanto que aumentes meu amor por ti", dizia ela, enquanto rezava.
Rosa era particularmente devota de Nossa Senhora e pedia insistentemente à Santa Mãe de Deus pelo crescimento da Igreja, sobretudo entre os indígenas americanos. Era tão grande seu amor apostólico pelos índios que em certa ocasião afirmou que, se não fosse mulher, seria um missionário entre esses seres que também foram redimidos pelo sangue de Nosso Senhor Jesus Cristo. Como missionário, ela acreditava poder dedicar-se inteiramente à salvação de todos eles, poderia fazer por eles ainda mais do que já fazia.

Uma borboleta nas cores branca e preta
Tendo idade para casar-se, ela preferiu fazer voto particular de castidade. Isso, depois de lutar contra o desejo contrário de seus pais. Quis então, para satisfazer um desejo de sua alma, ingressar no convento de uma ordem religiosa para viver uma vida consagrada a Deus. Escolheu, então, a ordem em que gostaria de entrar. No dia de sua admissão, estando rezando diante de uma imagem de Nossa Senhora, sentiu que não conseguia levantar-se de onde estava, nem mesmo com a ajuda de seus irmãos. Nesse instante Rosa percebeu que aquilo só poderia tratar-se de um aviso dos céus: que ela não se dirigisse para aquele convento que estava prestes a ingressar.
Foi, então, que ela fez uma prece a Nossa Senhora na qual submetia-se inteiramente à vontade divina. Ela iria para onde fosse da vontade de Deus. Isto foi suficiente para que a paralisia desaparecesse por completo e, imediatamente, ela recuperasse os movimentos, levantando-se e caminhando sem precisar do auxilia dos irmãos. A partir deste dia, Rosa, que se espelhava em Santa Catarina de Sena como modelo de vida a ser seguido, passou a pedir diariamente que, por intercessão da Santa, Nosso Senhor lhe indicasse em que ordem religiosa deveria ingressar.
Todos os dias, enquanto rezava, ela percebeu que, assim que iniciava suas orações, aparecia uma pequena borboleta que tinha as cores branca e preta. Sem perturbar o recolhimento e a compenetração de Rosa, o pequeno animal voava de um lado para o outro, enquanto ela estivesse em oração.
Para Rosa, isso era outro sinal de Deus. E foi suficiente para a jovem entender onde serviria melhor a Deus e aos irmãos: ela deveria ingressar na Ordem Terceira da Congregação de São Domingos, cujas vestimentas eram nas cores preto e o branco. As cores da pequena borboleta que a visitava diariamente eram as mesmas do hábito de Santa Catarina de Sena, a santa pela qual tinha tanta devoção e a quem deseja tanto imitar. Em 1606, aos vinte anos, ingressou na Ordem Terceira Dominicana.
Pediu licença para emitir os votos religiosos em casa e não no convento. Sendo aceito seu pedido, ela fez os votos, passando, então, a pertencer oficialmente à Ordem de São Domingos. E ela escolheu também seu nome de religiosa que passou a ser oficialmente Rosa: Rosa de Santa Maria.

No jardim e quintal da casa de seus pais, edificou um eremitério. Construiu para si uma pequena e estreita cela e passou a levar uma vida religiosa de austeridade, de mortificação e de abandono à vontade de Deus. Praticava a penitencia e castigava seu corpo com jejuns constantes consumindo o mínimo necessário de alimentos para sua sobrevivência. Quase não bebia água. Sua cama era um tábua coberta com um saco de estopa.
Na simplicidade de vida de leiga que levava, foi modelo de vida de penitencia, de pureza ilibada, de oração perseverante e do contínuo serviço espiritual e material aos irmãos. Portava cilícios dolorosos e conta-se que utilizava muitas vezes um aro de prata semelhante a uma coroa de espinhos. Numa época em que isso não era comum, Rosa comungava diariamente. Ela conseguiu eliminar de sua vida todo orgulho, amor próprio e vaidade, tendo sido cumpridas nela as palavras de Cristo: "Quem se humilha será exaltado". Meditava com frequência e ao olhar para o crucifixo dizia:
- "Senhor, Vossa cruz é muito mais cruel que a minha".
Dentro da vida austera, pobre e alegre que levava, seu coração voava. E em seus voos contemplativos ela admirava a beleza das coisas criadas à imagem e semelhança do Criador e a Ele prestava louvor, honra e glória. Um verso de sua autoria e que ela costumava repetir em forma de oração mostra como era sua alma e em que cogitações vivia:
- Meu querido Senhor, quanto é bom ver nas flores, e no verde sombrio da copada oliveira, toda vossa beleza. Como é doce saber que abençoar-me quereis, e meu coração de alegrias encher!
De fato, dentro e sua vida simples e de abandono à vontade de Deus, alcançou um alto grau de vida contemplativa e de experiência mística. Compreendeu em profundidade o mistério da paixão e morte de Nosso Senhor Jesus Cristo. Suas orações e penitênciasSta Rosa de Lima..jpgconseguiram converter muitos pecadores. Rosa de Santa Maria foi extremamente bondosa e caridosa para com todos, especialmente para com os índios e negros, aos quais prestava os serviços mais humildes em caso de doença. Frequentemente visitava os enfermos e os pobres.

Núpcias eternas e canonização
Todos os anos, na festa de São Bartolomeu, Rosa passava o dia inteiro em oração. Quando lhe perguntavam por que aquela data adeixava tão contemplativa, mais orante e mais posta nas mãos de Deus, ela dava uma resposta que seus ouvintes não chegavam a compreender bem:
- "É porque este é o dia das minhas núpcias eternas", dizia.
A cada 24 de agosto o fato se repetia. E os que a cercavam continuavam sem entender. Isso aconteceu até o ano de 1617. Rosa vinha suportando uma grave enfermidade que insistia em não abandoná-la. No dia de São Bartolomeu desse ano, ela morreu. Tinha apenas 31 anos. Como ela havia anunciado, aconteceu o que ela já previra: o dia 24 e agosto seria o dia de seu encontro eterno com Deus, seria o dia de suas "núpcias eternas" com Nosso Senhor Jesus Cristo! Suas últimas palavras foram:
- Jesus está comigo!
O Peru inteiro chorou sua morte. Seu sepultamento foi apoteótico. Seu túmulo, os locais onde viveu e trabalhou pela Igreja bem cedo tornaram-se locais de peregrinações. Muitos milagres começaram a acontecer. A beatificação de Rosa de Santa Maria deu-se no ano de 1667, logo no primeiro ano do pontificado do Papa Clemente IX.
A concretização de sua canonização demorou um pouco mais para acontecer. O Papa Clemente X relutava em elevá-la à glória dos altares. Mas o Papa convenceu-se de que deveria canonizá-la depois que presenciou uma milagrosa chuva de pétalas de rosas que caiu sobre ele e que todos atribuíram à ação da Beata Rosa de Santa Maria.
Clemente X a canonizou em 12 de abril de 1671. Rosa, a menina que um dia foi crismada por São Turíbio de Mongrovejo, passou a ser conhecida no mundo católico como Santa Rosa de Lima. Era a primeira mulher da América a receber essa honra tão excelsa. Santa Rosa de Lima é a padroeira da América Latina e das Filipinas. (JSG)

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

AddThis