Sep 19, 2016

A Maldição da Fofoca (Santo Afonso de Ligório)


Santo Afonso Maria de Ligório


“Não faleis mal uns dos outros, irmãos. Aquele que fala mal de um irmão ou julga o seu irmão, fala mal da Lei e julga a Lei”. (Tg,11).
SANTO AFONSO MARIA DE LIGÓRIO foi um grande sábio, Doutor da Igreja, advogado aos 19 anos de idade, fundador da Congregação do Santíssimo Redentor (os redentoristas), bispo e patrono dos confessores e dos teólogos da teologia moral.
Santo Afonso foi um grande doutor em teologia moral nos tempos modernos. Escreveu muito e de forma espetacular, mais de 120 obras. Seu poderoso lema era: “NÃO PERDER TEMPO JAMAIS”.
Tem gente que não se dá conta do tempo perdido pela maldição da fofoca. O tempo que passa com a língua maldizente é um tempo de uma vida amaldiçoada. Tenhamos o discernimento do Espírito Santo para não conviver com pessoas que tenham esse vício diabólico. Meditemos em Provérbios 26,20: “Faltando à lenha, apaga-se o fogo: afastando o mexeriqueiro, terminam as intrigas”.
Vamos nos agarrar no sábio conselho de Santo Afonso de: não perder tempo jamais com coisas fúteis, práticas de tolos,  e outros coisas condenadas por Deus.
Disse Santo Afonso: “A verdadeira sabedoria é a sabedoria dos Santos: Saber amar a Jesus Cristo”.
São Paulo Apóstolo escreveu: “Esse Cristo nós o anunciamos, advertindo os homens e instruindo-os em toda sabedoria, a fim de apresentá-los todos, perfeitos em Cristo” (Cl 1,28). A perfeita sabedoria do ser humano é Jesus Cristo. Os Santos nos ensina o caminho da verdade, o conhecimento da vida eterna e uma vida que só tem sentido na graça e no amor de Jesus Cristo.
Tempo de ouro é ler a vida dos santos, elas nos santificam e nos livra de todo tipo de futrica.
O tempo passa, o mundo gira e a vida deve se pautar na visão do bem, do sorriso sincero, do elogio honesto, da fé em Deus, do amor ao próximo e da caridade. Já dizia a Sentença Latina: “Serva Tempus”, isto é, “aproveite o tempo”. Costumavam escrever os antigos nos relógios de sol.
Vamos aproveitar o rico tempo que temos para: orar, jejuar, estudar a Sagrada Escritura, viver o mistério do silêncio e
 
das Mensagens, amar abissalmente e desejar o sucesso com justiça ao nosso semelhante. Vamos lembrar uma importante penitência de cuja profundidade pedagógica é colossal que o santo da jovialidade e da simplicidade infantil e da confiança absoluta em Deus, São Felipe Néri pôs a uma mulher que veio se confessar por ter o costume de falar mal do próximo. Para lhe fazer compreender os terríveis efeitos deste pecado, o Santo lhe mandou depenar uma galinha caminhando pelas ruas de Roma, e depois voltar para vê-lo. Assim o fez a mulher, que na volta à presença do Santo, lhe perguntou o que mais teria de fazer.
- “Agora, voltará por todas as ruas pelas quais caminhou e recolherá uma a uma as penas da galinha, sem deixar uma sequer”.
- “Mas, Padre, o Senhor me pede uma coisa impossível!” “Exclamou desesperada a pobre penitente.” “Tinha tanto vento que nunca poderei recolher todas as penas!”.
- “Eu sei-disse o Santo-, mas com isso a quero fazer entender que sua maledicência se parece com essas penas”.
Teria que voltar a aparecer outro São Felipe Néri para inventar uma penitência proporcional, destinada a todos os que difundem toneladas de maledicências e de pérfidos juízos…