São Domingos Sávio: um adolescente santo



Estava Domingos voltando da escola, numa tarde abrasadora de verão, em companhia de um rapaz de nome João Zucca. O dia estava tão quente que dificultava até a respiração.
Ao passarem por uma ponte, pararam e sentaram-se pondo os pés dentro das águas do rio Ruenta. Zucca atirava palhas dentro do rio e, com muita atenção, ficava observando-as flutuar na correnteza e desaparecer sob a ponte. Mais abaixo, viu um grupo de meninos brincando às margens do rio, entrando na água e saindo. A correnteza era rápida e perigosa, mas refrescante.
— Ooba! – exclamou Zucca. — Não há outra coisa a fazer num dia como este! Vamos nadar um pouco! – deixou-se escorregar pela rampa gramada e, um instante após, mergulhou na água, embora fosse o local bastante perigoso.
Domingos acompanhou-o.
De volta a casa, Domingos permanecia silencioso.
— Alguma coisa errada, Domingos? – perguntou-lhe Zucca, porque normalmente Domingos era um colega muito alegre.
— Estava pensando se era conveniente a gente ir nada naquele lugar.
— Não é direito nadar? Como assim?
— Bem, o modo de falar dos rapazes e os gestos que faziam com o corpo não me pareciam corretos.
— Ora, Domingos! Eles não tencionavam mal algum.
Dias depois, o tempo estava outra vez muito quente e os dois meninos procederam da mesma forma, até certo ponto. Quando deixaram a ponto para entrar na água, Domingos parou.
— O que há, Domingos? Não vai entrar?
— Não. Eu não sou bom nadador e a correnteza é muito forte aqui.
— Não precisa ser bom nadador para dar um mergulho.
— E se eu começasse a me afogar?
— Faça como nós. Não pode falhar.
— Bem. Seja como for, eu não gostei do que os rapazes estavam dizendo e fazendo, outro dia.
— O que dizem ou fazem nada tem a ver com você.
— Vou perguntar em casa se posso nadar com você.
— Não faça isso. Seríamos castigados se soubessem que estamos nadando aqui.
— Se é assim, agora é que não vou mesmo. Quando da primeira vez, Domingos se sentira chocado ao observar como os rapazes agiam enquanto nadavam. Percebeu o perigo que corria em tais circunstâncias e recusou-se definitivamente a ir nadar junto com outros, outra vez. Na biografia de Domingos, Dom Bosco escreveu que ele se recusara a ir nadar com os demais. Essa foi a verdade. Entretanto, após a morte do jovem, quando sua vida foi publicada, Zucca insistiu na presença de outros que Dom Bosco estava errado. Domingos havia nadado. Ele, Zucca, era testemunha. Espalhou-se rapidamente a notícia, chegando aos ouvidos de Dom Bosco. O santo reuniu os fatos e esperou o momento oportuno para revelá-los. A ocasião se apresentou numa noite, após o jantar, quando os meninos se preparavam para deixar o refeitório. [...] O santo passou através das filas silenciosas e pôs-se de pé sobre uma cadeira. Suas feições, habitualmente sorridentes, mostravam-se sérias.
— Alguma coisa está erada! – murmuraram entre si os rapazes.
— Chegou a meus ouvidos que alguém pôs em dúvida o que escrevi sobre Domingos. A parte questionada é a que afirma que Domingos se recusou a ir nadar com os outros meninos. Esta é a pura verdade. Ele se recusou mesmo. Por outro lado, é também verdade que ele foi a primeira vez, influenciado pela mesma pessoa que deu início à campanha de murmurações. Deliberadamente, omiti mencionar o primeiro incidente, porque desejava ocultar, em seu próprio benefício, o nome de tal pessoa. Achei que ele se deveria mostrar grato a mim, por poupá-lo a tal vexame, em público. Então olhou diretamente para Zucca que estava ficando cada vez mais vermelho, à proporção que Dom Bosco ia falando.
— Agora, Zucca, agradeça somente a si próprio, pela vergonha que está passando, e você tem realmente motivo para se sentir envergonhado. Após a saída de Dom Bosco, os meninos não foram capazes de quebrar o silêncio durante alguns minutos. Nunca tinham ouvido Dom Bosco falar com tanta dureza. O santo, normalmente doce e gentil, mostrou sua ira aquela noite, visto tratar-se da defesa da modéstia. Qualquer ataque à moralidade, sutil ou aberto, leve ou sério, era sempre repelido vigorosamente pelo santo. A favor do pobre Zucca, objeto das iras de Dom Bosco, pode-se dizer que mais tarde, o santo declarou que Zucca tinha sido favorecido com grandes graças extraordinárias de Nossa Senhora. Dom Bosco foi muito severo quanto a permitir aos meninos nadarem sem o devido respeito à modéstia cristã. Dois de seus jovens, uma vez, faltaram à aulas para ir nadar no rio Dora, em Turim. Às margens do rio, receberam duas palmadas bem aplicadas por mãos invisíveis. Descobriram quem era o dono daquelas pesadas mãos, quando o santo enviou uma carta de Lanzo, a 48 quilômetros de distância, contando ao superior e aos meninos o que ele tinha feito. Embora divertido, esse incidente é também esclarecedor. Mostra-nos a importância que o santo atribuía à modéstia, como guarda da pureza. Instruído por tal mestre, Domingos não poderia assumir outra atitude diante da pureza, a não ser aquela que lhe foi tão características. A respeito da pureza de Domingo, São Pio X disse uma vez ao Cardeal Salotti, postulador da Causa: “Um jovem que levou para o túmulo sua inocência batismal, que durante os curtos anos de sua existência nunca revelou a presença de nenhuma defeito, é real e verdadeiramente um santo Que mais podemos desejar?”

Fonte: São Domingos Santo, um adolescente santo, por Peter Lappin. p. 95-98. Ed. Salesiana Dom Bosco. 3.ª Edição. São Paulo, 1996

CAMPANHA DO SILICONE PARA IMAGENS DE NOSSA SENHORA

"FAÇAM AS MINHAS IMAGENS. QUANDO VOCÊ TIVER FEITO UM CERTO NÚMERO DE IMAGENS O PODER DE SATANÁS SERÁ ABALADO E CERTAS OBRAS DELE CAIRÃO POR TERRA." (NOSSA SENHORA RAINHA E MENSAGEIRA DA PAZ NAS APARIÇÕES DE JACAREÍ)

AJUDE A OBRA DE SALVAÇÃO DA MÃE DE DEUS COLABORANDO NA CAMPANHA DO SILICONE (BORRACHA PARA FAZER MOLDES DE IMAGENS).

DOE R$ 70,00 PARA AJUDAR COM DOIS KILOS DE SILICONE

DOE R$ 105,00 PARA AJUDAR COM TRÊS KILOS DE SILICONE

SE VOCÊ DESEJAR TAMBÉM PODE CONTRIBUIR COM OUTROS VALORES MAIORES PARA MAIS SACOS DE GESSO, TINTAS, SELADORA, MADEIRA PARA MOLDE, PARAFUSOS, CATALISADOR DE RESINA, ETC

AJUDE DEPOSITANDO NA MINHA CONTA NO BANCO:

MARCOS TADEU TEIXEIRA
CAIXA ECONOMICA FEDERAL
AGENCIA 4068 OPERAÇÃO 013
CONTA POUPANÇA 0028760-5


SE PREFERIR TAMBÉM PODE DEPOSITAR NO BANCO DO BRASIL

Banco do Brasil
MARCOS TADEU TEIXEIRA
Agencia 0683 -1
Conta corrente 2176 -8


DEPOSITE NOS CAIXAS ELETRÔNICOS OU NAS LOTÉRICAS. NÃO É PRECISO VOCÊ TER CONTA NA CAIXA PARA DEPOSITAR. REPASSE PARA TODOS PARA QUE MAIS GENTE AJUDE.

O NOME DOS BENFEITORES DO SANTUÁRIO SERÁ COLOCADO NO ALTAR DE NOSSA SENHORA PARA RECEBER TODOS OS ROSÁRIOS QUE FOREM REZADOS NO SANTUÁRIO NA SUA INTENÇÃO E DE SUAS FAMÍLIAS.

OBRIGADO POR SUA AJUDA NA MINHA MISSÃO DE SALVAR ALMAS PARA DEUS E LEVANTAR A CASA DA NOSSA MÃEZINHA DO CÉU NOSSA SENHORA MENSAGEIRA DA PAZ!



Remessa Internacional ou Nacional

Conta Internacional do Santuário:


Agência: 0314
Operação: 003
Conta: 54870
Bic code (cefxbrsp)
Código do Banco: 00104
Caixa Econômica Federal